quarta-feira, 25 de março de 2009

O CONSULADO


Em Belo Horizonte tem consulados e prepostos de quase todos os países do mundo. 
Tem da Itália, da Inglaterra, da China, do Líbano, da Alemanha, enfim...
E tem também os “ consulados “ de várias cidades do interior, onde o povos de todos os recantos das Minas Gerais podem se encontrar, se referenciar e encontrar alguma coisa da terrinha, seja noticia, seja um docim, um quijim, um sotaque comum.
Um “consulado” do gênero que pode muito bem exemplicar o que proponho é a Associação dos Filhos e Amigos de Teófilo Otoni, que fica em Lourdes, um dos bairros mais tradicionais de Belo Horizonte.
Trata-se de um escritório muito bem montadinho, decorado com quadros de artistas de Teófilo Otoni, tendo um computador, arquivo, secretária, uma recepção, cafezinho, um banheirinho, tudo muito simples, mas funcional e com aquela hospitalidade tão comum entre as pessoas daquele canto do estado, um povo que adora recitar uma poesia e prosear sem hora pra terminar.
Pois bem.! Já imaginaram algo assim para Alvinópolis? Um escritório de Alvinópolis no centro de Belo Horizonte, onde as pessoas pudessem ser por exemplo encaminhadas para empregos, para consultas, para estudar? Onde houvesse sempre um cadastro atualizado de todos os Alvinopolenses, onde sempre tivesse um temperim da terra, uma shampozim, um panim, um Adeus Marinha, um Bambas do Gaspar...
Seria o máximo, não seria? 
Tai mais uma coisa para o nosso bom Galo Índio pensar.
Sei que ele também sonha o dia inteiro com coisas boas pra nossa terra.
Inclusive, já tive a oportunidade de morar com ele num lugar que era um espécie de consulado de Alvinópolis: a República dos Anjos, na Pedro II, 533/Apto 11, onde o principal assunto conversado era sempre Alvinópolis. 
Ali naquele prédio antigo, onde gerações e gerações de Alvipolenses passaram, acho que Galo Índio, secretamente, já sonhava com o dia em que seria prefeito da terrinha.
Pois bem, Galo Índio. Agora, você chegou lá e tem muitos e muitos sonhos a realizar.
É uma idéia tão boa, que até o governador nos estendeu o tapete vermelho(foto).
Brincadeiras à parte, sou um sonhador, um utopista de marca maior e tudo pode não passar de mais um sonho maluco, mas é assim a vida né? 
Mesmo porque tudo que existe foi sonho antes de se tornar realidade!

5 comentários:

Vanderhugo disse...

Com certeza, seria ótimo. Essa idéia já passou pela minha mente, mas, como uma "Casa do Alvinopolense". Ao invés de um escritório, uma casa mesmo, que pudesse, inclusive, acolher pessoas que precisassem vir à capital por algum motivo e precisasse ficar aqui, como um albergue...

abração, amigo.

Marcos Martino disse...

É por aí mesmo, Vanderlei. Coloquei consulado pois pra mim Alvinópolis é um país, um reino, um planeta. Mas que a idéia é boa, não tenho dúvida. Teria de ter mantenedores e essa é a questão crucial. É aquele negócio né, sonhar não tem custo... e quem sabem outros também não embarquem nesse sonho né...

Patricia Loures disse...

Ei Marcos, td bem? Interessante sua idéia. Temos muitos conterraneos precisando de apoio em BH. Conte comigo também para ajudar a amadurecer esta idéia e torná-la uma realidade. Um abraço

Sheila Vieira disse...

Que ideia (sem acento com a nova reforma ortográfica) ótima, Marcos! Pena que estou um pouco longe de BH, mas mesmo assim, muitas vezes precisamos recorrer à capital mineira para diversos assuntos que no interior não nos é possível realizar. Se for pra frente será um grande passo a ser dado.

R.I. uni-bh disse...

Ótima idéia.
Poderíamos mover, de forma burocrática, esse passo. Alo Prefeito!!! Faço das palavras do Marcos Martino as minhas: "Alvinópolis é um país, um reino, um planeta". Nosso "império alvinopolense" precisa de uma representatividade legal e tácita na Capital. Será de grande importância pra cidade e para seus cidadãos!!!
Abraços!